Segundo MARQUES (2010), o Coaching “é um processo que visa aumentar o desempenho de um indivíduo, grupo ou empresa, ampliando os resultados positivos, por meio de metodologias, ferramentas e técnicas conduzidas por um profissional (Coach) em parceria sinergética e dinâmica com o cliente (o Coachee). (…) É arte e ciência, um conjunto de conhecimentos, ferramentas e técnicas que visam facilitar o alcance de resultados extraordinários. (…) O Coaching é sobre sair de um ponto – estado atual – e chegar a outro ponto – estado desejado.”

O autor destaca que os principais elementos do processo de Coaching são foco, ação, sentimento/sensação, evolução contínua e resultados. A AÇÃO do Coachee é o foco da metodologia, para a realização de suas metas e desejos. Ações no sentido de desenvolvimento e/ou aprimoramento de suas próprias competências, equipando-o com ferramentas, conhecimento e oportunidades para se expandir, usando os seguintes processos:

  1. Investigação, reflexão e conscientização;
  2. Descoberta pessoal dos pontos fracos e das qualidades;
  3. Aumento da consciência de si mesmo;
  4. Aumento da capacidade de se responsabilizar pela própria vida;
  5. Estrutura e foco;
  6. Feedback realista.

O Coaching objetiva a mudança do Coachee. As mudanças, dentro do processo evolutivo, podem ser:

  • remediativas (Coaching Remediativo): ocorre nos níveis da superficialidade e relacionamentos; são mudanças comportamentais e podem ocorrer por condicionamento, pois estão relacionadas a estruturas diretas de ação e reação;
  • generativas (Coaching Generativo): ocorrem nos níveis dos conhecimentos e sonhos/significados e estão relacionadas a permissões, motivações e direção dos comportamentos;
  • evolutivas (Coaching Evolutivo): ocorrem nos níveis de papéis, afiliação e legado; são mudanças relacionadas à missão e ao proposito. Em geral, produzem um grande efeito nas nossas vidas, podendo ser geradas por experiências significativas e, muitas vezes, com grande teor emocional envolvido.

Há ainda mudanças em níveis mais altos, como a da Identidade e da Espiritualidade, que podem trazer transformações em todos os demais níveis, porque o indivíduo, com uma nova e maior visão de si mesmo e do universo, consegue ressignificar ambientes, mudar comportamentos e, naturalmente, está mais propenso e determinado a desenvolver novas habilidades e estratégias.

Em resumo, para MARQUES (2010), Coaching é um processo com início, meio e fim, definido em comum acordo entre o Coach e o Coachee, no qual o Coach apoia o cliente na busca de realizar metas de curto, médio e longo prazo, por meio da identificação e desenvolvimento de competências, como também do reconhecimento e superação de adversidades.

BATISTA e CANÇADO (2017) explicam que a partir da década de 1990, quando os modelos de gestão por competências ganharam força, o coaching apareceu como opção para o desenvolvimento humano. Para elas, Coaching é “um processo de orientação prática, voltado para a promoção e o estímulo da aprendizagem, a partir de metas relacionadas ao desenvolvimento pessoal e profissional. Como prática usada pelo mercado, o tema tem ganhado relevância, devido à crescente demanda por esses profissionais.”

Segundo as autoras, o processo de coaching, que é estabelecido por meio do diálogo entre o coach e o coachee, tem seu início na contratação do programa, estende-se ao estabelecimento do plano de ação. O seu foco é no desempenho do coachee e sugere um processo de estabelecimento de metas, de análise do contexto, de levantamento de opções e, por último, de mobilização para a execução de tarefas individuais ou em grupo.

As autoras fazem questão de ressaltar que “o coach não deve prescrever ações para o coachee, mas sim explorar o contexto e os objetivos do cliente, buscar integrar os objetivos individuais e organizacionais, auxiliar o cliente a tomar decisões para o aumento de seus resultados. Observa-se semelhança entre os vários modelos que descrevem o processo de coaching em relação ao foco em resultados pessoais e organizacionais.“

Para o trabalho de coaching, é necessário um profissional habilitado, com expertise pessoal e profissional para conduzir o seu cliente à performance almejada. O coach é considerado um profissional capacitado que oferece aos executivos e gerentes a oportunidade de desenvolver suas capacidades individuais, por meio de ferramentas apropriadas, é prática reconhecida no campo do desenvolvimento de pessoas

Observam, ainda, que, como prática de recursos humanos e de estratégia de desenvolvimento, inovação e aprendizagem nas organizações, o coaching tornou-se frequente e legitimado. “O coaching enfrenta desafios e oportunidades, bem como grande responsabilidade. Cresceu de um processo inicial associado ao coaching pessoal para voltar-se para um trabalho com grupos e equipes, passou de indústria caseira a profissão.”

Relatório divulgado pela Sherpa Coaching (2016, apud BATISTA e CANÇADO, 2017), sobre pesquisa de mercado feita com mais de 500 profissionais de 65 países, inclusive do Brasil, indicou algumas projeções para a área:

  1. a demanda por coaching executivo está em ascensão;
  2. a grande maioria dos profissionais de negócios vê o valor do coaching como muito alto;
  3. a credibilidade aumenta a cada ano;
  4. o coaching é usado crescentemente no desenvolvimento de liderança, em oposição à resolução de problemas;
  5. o processo personalizado e presencial está em ascensão e;
  6. as organizações cada vez mais só contratam coach executivo com certificação reconhecida.

As autoras criaram ainda uma interessante tabela de conceitos de vários autores:

Tabela 1 – Conceitos de coaching

Autores Conceitos
Pryor (1995) Um processo no qual o coach e seu cliente trabalham juntos na definição de uma meta de desenvolvimento, pessoal e profissional, estabelecem metas que melhorem o comportamento em prazo definido, por meio de questões abertas e feedback privado em que são expostas vulnerabilidades pessoais e de autoestima.
Sztucinski (2001) Coaching é um relacionamento de ajuda entre um executivo e um profissional (coach) externo. O propósito do relacionamento é facilitar o desejo do executivo (coachee) de atingir metas relacionadas com desenvolvimento profissional e, essencialmente, com o resultado da organização.
IES (2001) Coaching é um processo interativo destinado a ajudar indivíduos a se desenvolverem rapidamente. Usualmente, é relacionado à atividade profissional, com foco no melhor do desempenho ou comportamento. É um processo de aprendizado pessoal, orientado por metas e elaborado para executivos. O coach oferece feedback e objetividade, dificilmente obtidos no cotidiano da dinâmica organizacional.
Birch (1972) Coaching é uma abordagem sistemática de melhoria do coachee, por meio de questionamento e de orientação, com foco em mudanças incrementais nos resultados atuais, orientada para uma meta previamente definida.
Downey (2003) Coaching visa a ajudar o indivíduo a resolver problemas, ser inovador e transformar o que aprendeu em resultados positivos para si, para sua equipe de trabalho e para a organização.
Dingman (2004) Coaching é um relacionamento de apoio entre um executivo com autoridade e responsabilidades gerenciais em uma organização. O coach faz uso de um processo definido que facilita ao executivo alcançar os resultados pessoais e organizacionais.
Cavanagh, Grant & Kemp (2005) Coaching pode ser considerado como atividade multidisciplinar, seu principal objetivo é melhorar o bem-estar, aumentar o desempenho e ainda facilitar a mudança individual e organizacional do coachee.
Blanco (2006) O coaching caracteriza-se como um processo de integração colaborativa, voltado para a promoção e o estímulo da aprendizagem. O objetivo não é ensinar, mas sim auxiliar o outro a aprender
Maynard (2006) A atividade do coach é a de um facilitador de processos, promover suporte e encorajamento. Coaching é um processo de orientação prática que promove desenvolvimento pessoal e profissional por meio de mudanças autopromovidas, diferencia-se da terapia por sua orientação a uma população não clínica (que busca melhoria imediata no seu bem-estar ou cura em situações que exijam intervenção terapêutica) .
Ting e Scisco (2006) O coach executivo ajuda na melhor compreensão dos líderes sobre si mesmos, de tal modo que eles possam explicitar seus pontos fortes e ajudá-los de forma mais efetiva e intencional, desenvolver as necessidades identificadas e do potencial ainda não testado. Muito do trabalho do coach envolve ajudar os gestores a adquirirem clareza sobre as próprias motivações, aspirações e compromisso com a mudança.
Clutterbuck (2008) Coaching é uma atividade feita com alguém, e não para alguém. A responsabilidade de fazer com que esse processo funcione é repartida entre o coach e o coachee. Ambos precisam demonstrar conduta de confiança e abertura, essenciais ao estabelecimento de vínculo entre eles.
Matta (2008) Coaching é um processo que visa a elevar a performance de um indivíduo (grupo ou empresa) , aumentar os resultados positivos por meio de metodologias, ferramentas e técnicas cientificamente validadas, aplicados por um profissional habilitado (o coach), em parceria com o cliente (o coachee).
Underhill et al. (2010) O propósito do coaching executivo é o desenvolvimento das habilidades do líder, que tenham posição formal ou não, nas mais diversas organizações – grande ou pequena empresa; com ou sem fins lucrativos; privada, governamental ou pública.
Taie (2011) Coaching é a arte e a prática de inspirar, energizar e facilitar o desempenho, aprendizagem e o desenvolvimento do coachee.

Fonte: BATISTA e CANÇADO, 2017

A European Coaching Association – ECA, uma das associações profissionais de coaches e reguladoras da qualidade na área, fundada em 1994 define que o “Coaching é um serviço profissional, em que um cliente contrata um Coach para alcançar uma meta ou para encontrar a solução para um problema” e esclarece que “As pessoas contratam um Coach por diversos motivos, tais como, para realinharem suas vidas, alcançar objetivos, solucionar problemas, melhorarem a comunicação, definirem um caminho nas suas carreiras profissionais, ou outros”[1].

A International Coaching Community – ICC, uma das maiores organizações profissionais de Coaching do mundo, com mais de 12.000 coaches certificados em 67 países, esclarece que “o Coaching desbloqueia o potencial de uma pessoa para maximizar seu desempenho. Ajuda-a a aprender ao invés de ensiná-la”[2]. E coloca que a essência do Coaching é:

  • Ajudar as pessoas a mudarem a forma como quer atingir suas metas e assim encontrar o caminho para onde se quer chegar.
  • Em todos os níveis, o Coaching ajuda as pessoas a se tornarem quem elas desejam ser.
  • O Coaching constrói a consciência, dá poderes de escolha e promove mudanças.

A International Association of Coaching – IAC, uma rigorosa certificadora internacional de coaches define o coaching como um “processo transformador para a conscientização, a descoberta e o crescimento pessoal e profissional, e a expansão das possibilidades”[3].

Já a International Coaching Federation – ICF define o coaching como “uma parceria com os clientes em um processo criativo e provocador de pensamento que os inspira a maximizar seu potencial pessoal e profissional, o que é particularmente importante no ambiente incerto e complexo de hoje”[4]. Para isso, os Coaches devem honrar o cliente como o especialista em sua vida e trabalho e acreditar que cada cliente é criativo, engenhoso e todo. Com base neste fundamento, a responsabilidade do Coach é:

  • Descobrir, esclarecer e alinhar com o que o cliente deseja alcançar;
  • Incentivar a autodescoberta do cliente;
  • Elucidar soluções e estratégias geradas pelo cliente;
  • Manter o cliente responsável.

Para a ICF, este processo ajuda os clientes a melhorar drasticamente a sua visão do trabalho e da vida, melhorando as suas capacidades de liderança e desbloqueando o seu potencial.

EM RESUMO, O QUE É COACHING?

Coaching é uma metodologia de alcance de resultados, onde, através de perguntas poderosas, você se permite sair de um estado atual indesejado, atingindo um estado desejado. Através de técnicas e ferramentas, ele permite que o Coachee se conheça profundamente e identifique seu potencial de forma a acelerar seus resultados!

No processo de Coaching, o Coach proporciona ao Coachee reflexões sobre si mesmo, seus pontos fortes, pontos de melhoria e suas crenças limitantes, além de empoderar suas qualidades e impulsioná-lo à ação. A ação é parte fundamental do processo de Coaching, pois é só assim que o Coachee transforma a própria vida. Ele é o único capaz de transformar a sua vida e, agindo, pode perceber que é capaz.

O Coaching deve fazer o indivíduo conhecer e, de acordo com o objetivo do processo, ressignificar:

  • seu ambiente, com seus limites e oportunidades;
  • seus comportamentos, como age e reage a contextos específicos;
  • suas capacidades e habilidades, tanto as genéricas quanto as estratégicas para atingir os objetivos do processo;
  • crenças e valores, identificando suas “verdades” limitantes e recriando-as para serem fortalecedoras, além de identificar o que realmente é importante;
  • sua identidade, seu verdadeiro “EU” e missão de vida;
  • sua afiliação, a que grupos pertence e as respectivas importâncias, relevâncias e influências sobre sua vida e seus objetivos/metas/desejos;
  • seu legado, o que ele está deixando e/ou o que deseja deixar como história da sua passagem pelo mundo.

O processo de Coaching, que sempre tem um número limitado de sessões (não deve ser interminável), tem um objetivo claro e específico. Cada sessão busca tratar de um ponto ou limitação específica que leve ao objetivo do processo. Assim, toda sessão deve resultar na definição de uma ou mais tarefas (ação) que o Coachee deverá realizar, de forma se conhecer, se conscientizar de uma limitação ou buscar seu objetivo final. Elas podem ser semanais ou se espaçar por mais tempo, de acordo com a necessidade de realizar as ações/tarefas.

Confira o artigo sobre O que é Coaching.
Conheça o livro que te ajuda a vencer os mitos que sabotam sua carreira! 😉

Luciano Grossi

Links

[1] http://eca-portugal.com/sobre-coaching/, acessada em 27/abril/2017
[2] http://internationalcoachingcommunity.com/pt-br/o-que-e-coaching/, acessada em 27/abril/2017
[3] https://certifiedcoach.org/certification-and-development/, acessada em 27/abril/2017
[4] https://www.coachfederation.org/need/landing.cfm?ItemNumber=978, acessado em 27/abril/2017.

 

Referências Bibliográficas

MARQUES, J.R. Curso de Formação em Professional & Self Coaching: Módulo I. Goiânia: IBC, 2010, apostila de curso.

BATISTA, K. e CANÇADO, V. L. Competências requeridas para a atuação em coaching: a percepção de profissionais coaches no Brasil. REGE – Revista de Gestão. São Paulo, FEAUSP, n. 24, 2017. Disponível em <http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1809227616306452>. Acesso em 24 de abril de 2017.